Home / DST / Clamídia

O que é a clamídia?

A clamídia é uma doença sexualmente transmissível das mais comuns no mundo todo. Trata-se de uma DST silenciosa, que tanto pode afetar homens quanto mulheres e que não tem tratamento complicado, embora possa trazer sérios problemas de saúde se não receber a devida atenção.

A clamídia é causada por uma bactéria denominada Chlamydia trachomatis, que, além de infectar homens e mulheres, também pode ser transmitida da mãe para o filho no momento do parto.

A infecção provocada por essa bactéria normalmente atinge a uretra e os órgãos genitais, podendo ainda acometer o ânus, a faringe e se tornar responsável por doenças pulmonares.

O seu ciclo é iniciado quando os CE infecciosos atacham-se às microvilosidades das células suscetíveis, sendo a fixação seguida de penetração ativa no inteior da célula hospedeira. Uma vez internalizada, as clamídias permanecem no interior de fagossomas citoplasmáticos, onde prossegue o ciclo de multiplicação.

Ciclo infeccioso de Clamídia

Mais do que apenas a infecção, a clamídia pode se tornar causa de infertilidade masculina e feminina. No homem, a bactéria pode provocar inflamações nos epidídimos e nos testículos, promovendo a obstrução que impede a passagem dos espermatozoides e, nas mulheres, o risco é a bactéria atravessar o colo uterino, atingindo as trompas e provocando a doença inflamatória pélvica, ou DIP.

Para o bebê infectado com clamídia no nascimento, corre o risco de desenvolvimento de conjuntivite e pneumonia.

Causas de clamídia

A principal causa de transmissão da clamídia é através das relações sexuais, sejam vaginais, anais ou orais, sem o uso de preservativo, embora haja também a possibilidade de ser transmitida da mãe para o bebê durante o parto.

A bactéria que provoca a clamídia é um parasita intracelular, ou seja, que se aloja nas células, e que produz esporos, o que faz com que sua disseminação pelo organismo seja mais rápida e mais fácil.

Na natureza existem três espécies de clamídia que provocam doenças em humanos, a Chlamydia trachomatis, a Chlamydia psittaci e a Chlamydia pneumoniae. A bactéria da espécie trachomatis é a mais comum, sendo ela a causadora de infecção genital e de tracoma, a infecção que acomete os olhos.

A espécie pneumoniae provoca doenças respiratórias semelhantes à pneumonia e a espécie psitacci provoca psitacose, uma doença respiratória transmitida pelas aves, principalmente araras, periquitos e papagaios.

Como salientamos, a clamídia é uma doença sexualmente transmissível que infecta pessoas ao manter relações sexuais com outras já contaminadas, o que exige o uso de preservativos no relacionamento íntimo, principalmente quando não se tem conhecimento mais aprofundado do parceiro.

O período de incubação da clamídia é de aproximadamente 15 dias, entre a relação sexual e o surgimento dos sintomas e, durante esse período, o portador da bactéria já se torna capaz de transmitir a doença.

De acordo com a OMS – Organização Mundial da Saúde, a clamídia é responsável por 25% dos casos de infertilidade, distribuídos em 15% nas mulheres e 10% nos homens. Entre 10% a 20% das mulheres atendidas na faixa de 15 a 24 anos apresentam a doença.

Grupos de risco da clamídia

O grupo de risco da clamídia é formado por todas as pessoas sexualmente ativas, que não fazem uso de preservativo nas relações sexuais e não se preocupam com doenças sexualmente transmissíveis.

Como a maior parte das mulheres infectadas pela clamídia não apresenta qualquer sintoma, é recomendado que se faça exames anualmente, principalmente quando fazem parte do grupo de risco.

Pessoas que encontram novo parceiro sexual ou que mantém relações com parceiros sexuais diferentes em menos de 60 dias, com histórico de DST, devem procurar o médico periodicamente para verificar a possibilidade de estar infectada ou não.

O médio pode avaliar o risco de uma pessoa estar ou não infectada com base no seu histórico sexual, uma vez que a doença pode não apresentar sintomas. Assim, o médico deve perguntar se a pessoa teve relações sexuais sem preservativo, podendo confirmar a presença da bactéria através da análise de urina ou de uma zaragatoa da uretra ou do colo do útero.

Sintomas da clamídia

Entre as mulheres, pelo menos 75% não apresentam sintomas da clamídia, percentual que chega a 50% entre os homens. No caso se surgirem sintomas, eles podem se manifestar através de ardor ao urinar, secreção genital anormal e dores durante as relações sexuais.

O agente transmissor da clamídia, a bactéria Chlamydia trchomatis, atinge a uretra e os órgãos genitais provocando os sintomas referidos no parágrafo anterior, além do aumento de vontade de urinar.

O período de incubação da clamídia é de aproximadamente 15 dias, fase em que o paciente infectado pode transmitir a doença. A infecção atinge especialmente a uretra e os órgãos genitais, podendo acometer também a região anal e a faringe, de onde poderá se tornar responsável pelo desenvolvimento de doenças pulmonares.

A infecção, no entanto, pode ser assintomática e quando os sintomas aparecem, são parecidos em ambos os sexos, causando dor ou ardor ao urinar, com aumento do número de micções e presença de secreção fluida.

Nas mulheres, a clamídia também pode provocar perda de sangue nos intervalos do período menstrual e dores no baixo ventre.

Mesmo quando se manifestam, os sintomas da clamídia podem ser fracos e passageiros. Os principais sinais de contaminação pela clamídia são os seguintes:

  • Ardência ao urinar;
  • Dores abdominais;
  • Corrimento vaginal ou peniano, dependendo do sexo;
  • Dores durante a relação sexual, principalmente para as mulheres;
  • Sangramento nos intervalos da menstruação e depois das relações sexuais;
  • Dores nos testículos, no caso do sexo masculino;
  • Dores no reto ou secreção, em ambos os sexos que costumam praticar relação anal;
  • Sintomas de doença inflamatória pélvica, nas mulheres.

Principalmente nas mulheres, os sintomas da clamídia podem se apresentar da seguinte forma:

  • Sensação de ardor ou queimadura ao urinar;
  • Corrimento vaginal anormal;
  • Hemorragia vaginal ligeira, principalmente depois de uma relação sexual;
  • Dores nos quadrantes inferiores do abdômen ou na região pélvica.

Nos homens, a clamídia pode provocar corrimento anormal pelo pênis, que não se trata de urina ou sêmen, além da sensação de dor ao urinar.

É importante destacar que um em cada quatro homens com clamídia não apresentam qualquer sintoma e somente 30% das mulheres apresentam sinais da doença.

Sintomas comuns em cada sexo:

Mulher Homem
Dor ao urinar Corrimento esbranquiçado e aquoso pelo pénis
Corrimento vaginal anormal Dor ao urinar
Dor no baixo ventre Dor testicular
Dor e/ou hemorragia durante ou após as relações sexuais Inflamação do epidídimo (testículos)
Perdas de sangue ou fluxo menstrual mais abundante Vontade frequente de urinar

Diagnóstico da clamídia

O diagnóstico da clamídia é feito através de exames laboratoriais. As bactérias são detectadas geralmente através da análise de uma amostra de urina ou de um cotonete genital. Para o cotonete, um botão de algodão é usado para limpar a área e recolher algumas pilhas, que são verificadas para se analisar a presença das bactérias ao microscópio.

No caso de mulheres, a amostra de urina é o meio mais frequente para verificar a infecção pela clamídia. Os cotonetes também poder ser tomados da cerviz, dentro da vagina mais baixa ou da abertura da uretra.

Nos homens, as amostras de urina são as mais adequadas para verificar a presença das bactérias, embora os cotonetes possam ser usados na abertura da uretra, na ponta do pênis.

As pilhas coletadas através dos cotonetes e da urina são levadas a crescer em cultura e, se as colônias da bactéria surgirem, a infecção está confirmada. O processo, no entanto, pode ser demorado.

Atualmente existem outros tipos de exame, usados como testes da amplificação do ácido nucleico, incluindo reação em cadeia da polimerase, ou PCR, transcrição da amplificação (TMA) e amplificação do deslocamento da costa do DNA (SDA).

Sem tratamento adequado, a clamídia pode permanecer longos períodos no organismo e, durante esse tempo, o portador irá contagiando outras pessoas e disseminando a bactéria, principalmente se continua mantendo relações sexuais sem proteção.

Complicações da clamídia

A clamídia não causa problemas a longo prazo se for tratada antes que surjam complicações. Não tratada, a clamídia pode levar a muitas complicações, nas mulheres, as bactérias invadem as células que revestem o endocérvice (a abertura para o útero). À medida que se espalha para o trato reprodutivo, pode eventualmente levar à infertilidade, gravidez ectópica e dor pélvica crônica.

Doenças causadas por clamídia

Entre as complicações que podem ser provocadas pela clamídia estão as seguintes:

Complicações gerais:

  • Riscos de HIV

Clamídia não tratada pode aumentar os riscos de uma pessoa adquirir ou transmitir mais facilmente o HIV.

  • Dores nas articulações

Algumas pessoas podem desenvolver dores nas articulações e artrite.

Complicações para Mulheres:

Se não for tratada, a infecção por clamídia pode disseminar-se rapidamente pelo sistema genital feminino, resultando em:

  • Cervicite: inflamação e infecção do cérvix
  • Endometrite: inflamação e infecção do endométrio (revestimento do útero)
  • Salpingite: inflamação e infecção das trompas de Falópio
  • Parametrite: inflamação e infecção do paramétrio (tecido em redor da barriga)
  • Ooforite: inflamação e infecção dos ovários
  • Abcesso: bolsa de líquido presente nos ovários e trompas de Falópio
  • Peritonite pélvica: inflamação e infecção do peritoneu

Esta doença inflamatória pélvica (DIP) é muito perigosa e pode levar à infertilidade a gravidez ectópica e a abortos espontâneos.

Complicações para Homens: 

Se a infecção por clamídia não for tratada pode disseminar-se por outras partes do sistema reprodutor masculino e conduzir a:

  • Uretrite: inflamação ou infecção da uretra
  • Epididimite: inflamação e infecção da área em redor dos testículos

A epididimite é uma doença muito grave que pode levar à obstrução dos vasos deferentes e à infertilidade.

   

Clamídia e Infertilidade

A relação entre a clamídia e a infertilidade é bem conhecida e está clinicamente comprovada, sendo esta doença uma das maiores causas de infertilidade a nível mundial. Devido à sua natureza muitas vezes assintomática, a clamídia pode permanecer por tratar e disseminar-se a outros órgãos, em particular ao sistema reprodutivo quer dos homens quer das mulheres.

Cerca de 70% das mulheres e 50% dos homens infectados não apresentam quaisquer sintomas. Quando ocorrem sintomas, estes traduzem-se nos homens por corrimento proveniente da uretra e dor ao urinar.

Nas mulheres são frequentes os sintomas semelhantes aos da cistite, bem como um aumento do corrimento vaginal. No caso de ocorrer a inflamação do cérvix (colo do útero), podem ocorrer hemorragias entre períodos e após as relações sexuais e desconforto durante as relações sexuais.

Como é que a clamídia causa infertilidade?

No caso das mulheres, se a infecção for deixada por tratar, pode disseminar-se aos restantes órgãos do sistema reprodutor feminino, em especial ao útero e às trompas de Falópio, o que pode levar à doença inflamatória pélvica (DIP). Cerca de 1 em cada 5 mulheres infectadas com clamídia desenvolve DIP, tornando esta doença sexualmente transmissível uma das principais causas de infertilidade nas mulheres. Os sintomas da DIP são geralmente dor no baixo abdómen, febre e dor durante as relações sexuais, apesar de esta doença poder ser assintomática.

Aproximadamente 10% das mulheres com clamídia tornam-se inférteis como resultado da doença inflamatória pélvica.

Para além da clamídia poder causar infertilidade, também pode ser responsável pela ocorrência de gravidez ectópica, devido aos danos provocados nas trompas de Falópio.

Tratamento e medicamentos contra a clamídia

O tratamento da clamídia deve ser feito com antibióticos específicos, que agem contra as bactérias, eliminando-as do organismo. O tratamento deve ser feito mediante consulta médica, devendo o profissional indicar a quantidade de medicamento que o paciente deve usar.

Entre os tratamentos mais indicados para a Clamídia, estão:

O tratamento da clamídia deve ser feito com antibióticos específicos, que agem contra as bactérias, eliminando-as do organismo. O tratamento deve ser feito mediante consulta médica, devendo o profissional indicar a quantidade de medicamento que o paciente deve usar.

Entre os tratamentos mais indicados para a Clamídia, estão:

Tratamento Administração Princípio Activo Duração Posologia Saiba mais
Doxiciclina Cápsulas Doxiciclina 7 dias 2 vezes/dia Consulta
Azitromicina Comprimidos Azitromicina 1 dia Dose única Consulta

A Doxiciclina é um antibiótico para diversas infecções bacterianas, servindo para tratamento de acne e de doenças sexualmente transmissíveis, infecções intestinais e periodondite, entre outras.

A Doxiciclina é um antibiótico que interfere na produção das proteínas exigidas pela bactéria para sua proliferação, evitando a disseminação no organismo e facilitando sua eliminação pelo sistema imunológico do paciente.

Em mulheres grávidas o tratamento com Doxicilina deve ser evitado e o tratamento com Azitromicina deve ser avaliado por um médico. Durante o tratamento com ambos os medicamentos, deve abster-se de ter relações sexuais e o(a) seu actual parceiro(a) deve seguir o mesmo tratamento, até a infecção estar erradicada.

Além da Doxiciclina, a Azitromicina também é um medicamento indicado para tratamento da clamídia, agindo da mesma forma, ou seja, inibindo a síntese das proteínas nas bactérias responsáveis pela infecção. Não conseguindo mais produzir as proteínas essenciais para sua disseminação, as bactérias podem ser facilmente eliminadas pelo próprio sistema imunológico do paciente.

A Doxiciclina é um antibiótico para diversas infecções bacterianas, servindo para tratamento de acne e de doenças sexualmente transmissíveis, infecções intestinais e periodondite, entre outras.

A Doxiciclina é um antibiótico que interfere na produção das proteínas exigidas pela bactéria para sua proliferação, evitando a disseminação no organismo e facilitando sua eliminação pelo sistema imunológico do paciente.

Em mulheres grávidas o tratamento com Doxicilina deve ser evitado e o tratamento com Azitromicina deve ser avaliado por um médico. Durante o tratamento com ambos os medicamentos, deve abster-se de ter relações sexuais e o(a) seu actual parceiro(a) deve seguir o mesmo tratamento, até a infecção estar erradicada.

Além da Doxiciclina, a Azitromicina também é um medicamento indicado para tratamento da clamídia, agindo da mesma forma, ou seja, inibindo a síntese das proteínas nas bactérias responsáveis pela infecção. Não conseguindo mais produzir as proteínas essenciais para sua disseminação, as bactérias podem ser facilmente eliminadas pelo próprio sistema imunológico do paciente.

Prevenção da clamídia

Da mesma maneira que em outras doenças sexualmente transmissíveis, a clamídia pode ser evitada desde que a pessoa não mantenha relações sexuais sem preservativos.

Além disso, também é importante evitar relações sexuais promíscuas, com diversos parceiros, ou com pessoas de quem o indivíduo não tenha conhecimento do histórico de saúde.

A prevenção da clamídia também deve ser feita com consultas periódicas ao médico, principalmente quando a pessoa não atende aos sistemas de prevenção apresentados anteriormente, contando-lhe seu histórico médico e sendo examinada para verificar a possibilidade ou não da infecção.

Ver todos os tratamentos

  • Pedido verificado por um médico
  • Receita inclusa
  • Entrega no dia seguinte inclusa
Azitromicina
Preços a partir de:
59.95€
Comparar
Doxiciclina
Preços a partir de:
44.95€
Comparar

Perguntas frequentes

O que está incluído na consulta online?
Um médico analisará minha consulta?
O que acontece depois de fazer meu pedido?
O preço inclui tudo?
Posso fazer mais de um pedido por vez?
Quais são minhas opções de entrega?
É seguro comprar medicamentos com receita online?
Como posso saber qual tratamento é o melhor para mim?
Este serviço é discreto?
O que está incluído na consulta online?

Nossas consultas incluem perguntas gerais sobre sua saúde (por exemplo, níveis de tensão arterial, doenças que já teve ou tem), bem como questões específicas relacionadas ao tratamento que selecionou. Também solicitaremos informações pessoais relevantes para concluir o pagamento e a entrega.

Todas as perguntas são necessárias e suas respostas e detalhes não serão compartilhados com terceiros. Somente nossos médicos têm acesso às suas informações médicas.

Um médico analisará minha consulta?

É uma exigência legal e médica que um médico primeiro analise as consultas concluídas. Temos uma equipa de médicos e especialistas que irão garantir que o tratamento selecionado seja seguro para seu uso. Todas as informações são armazenadas de forma segura e confidencial.

Não garantimos que nossos médicos aprovarão o tratamento.

O que acontece depois de fazer meu pedido?

A sua consulta será enviada diretamente para a nossa equipa médica, onde será analisada por um dos nossos médicos.

Se o tratamento escolhido for considerado adequado para si, eles irão emitir uma receita. A sua receita é encaminhada para a nossa farmácia, onde o seu medicamento será dispensado e enviado para si pelo método selecionado.

O preço inclui tudo?

Sim. Todos os pedidos de 121doc incluem uma consulta médica, uma receita e entrega do medicamento. Não há custos adicionais. Acreditamos na prestação de um serviço seguro e fácil de usar.

Posso fazer mais de um pedido por vez?

Sim. No entanto, certos medicamentos podem interagir negativamente entre si. Nossos médicos podem não aprovar seu pedido com base nisso.

Você pode colocar vários itens em uma cesta e fazer uma consulta para todos.

Se você quiser fazer um segundo pedido de um medicamento diferente, terá que fazer uma consulta separada.

Quais são minhas opções de entrega?

Para sua comodidade realizamos entregas em Portugal continental e ilhas. Oferecemos várias opções de entrega:

  • Entrega em 1-2 dias
  • Entrega em dia indicado - escolha o dia mais conveniente para entrega

Todas essas opções podem ser rastreadas e exigem assinatura na entrega. Se você não estiver disponível, um amigo ou parente pode assinar no seu lugar.

Nenhuma dessas opções incorrerá em cobrança adicional.

É seguro comprar medicamentos com receita online?

Para garantir que está comprando de uma empresa respeitável, deverá verificar se os órgãos reguladores de seu país de origem os verificam.

No Reino Unido, é a Care Quality Commission (CQC) e a Medicines and Healthcare products Regulatory Agency (MHRA). Os nossos certificados podem ser vistos aqui.

Como posso saber qual tratamento é o melhor para mim?

Alguns tratamentos oferecem a função de 'Aconselhamento'. Serão feitas perguntas sobre seu estilo de vida e necessidades, bem como algumas perguntas médicas. Em seguida, receberás o conselho de nossos médicos.

Este serviço é discreto?

A privacidade de nossos pacientes é de extrema importância. Todas as suas informações médicas são armazenadas de forma segura e apenas visualizadas por nossos médicos. Não compartilhamos seus dados com terceiros. Também somos inspecionados regularmente por várias agências reguladoras do Reino Unido, como a Information Commissioner's Office (ICO).

Todos os pedidos serão exibidos em faturas, extratos bancários, etc. como ‘HHC Ltd’.

Ajuda