• Serviço privado e confidencial embalagem e pagamento discretos.
  • Medicamentos Originais como na sua farmácia local
  • Tudo incluído no preço consulta, entrega & receita médica
  • Entrega em 24 horas para pedidos feitos até às 16h30

Métodos para deixar de de fumar - Qual deles realmente funciona?

Algumas pessoas tentam parar de fumar sem recorrer a nenhum tipo de tratamento ou medicamento e conseguem se livrar definitivamente do vício. Já outras possuem um grau de dependência da nicotina mais forte (ou falta de foco e determinação) e acabam voltando a fumar depois de algum tempo.

Se lidar com os desejos impulsivos pela nicotina é o que impede você a parar de fumar, saiba que há diversos medicamentos que dão apoio extra para vencer o vício no processo contra o tabagismo. O tratamento mais adequado para cada paciente depende de suas condições físicas, mentais e médicas, as quais são únicas em cada indivíduo.

Veja a seguir um guia sobre alguns medicamentos indicados para parar de fumar, como eles funcionam, quem pode tomá-los e quais são suas principais vantagens e desvantagens.

É sempre bom lembrar que são inúmeros os benéficos à saúde quando o vício do cigarro é abandonado, entre eles: redução no risco de doenças cardiovasculares, de cancro de pulmão ou infertilidade.

Vareniclina (Champix)

A vareniclina é uma substância que tem provocado muito sucesso entre as pessoas que têm o hábito de fumar, na verdade entre aquelas que se tornaram ex-fumantes. Isso porque esse princípio ativo é um dos mais prescritos para ajudar no processo contra o vício do fumo, acabando o desejo pela nicotina e também reduzindo os sintomas da abstinência física provocados por esse processo.

Caixa do Champix

Estudos sugerem que essa medicação é a mais eficaz contra o tabagismo, com porcentagem satisfatória de pessoas que conseguiram parar de fumar, ao seguirem corretamente o tratamento.

Quem pretende seriamente abandonar o vício pode encontrar na vareniclina um grande apoio. Mas, ao optar por esse medicamento, é preciso que o paciente tenha em mente a vontade de seguir focado, para que assim os resultados possam ser garantidos.

O que é e usos médicos

O tartarato de vareniclina é uma substância muito utilizada no tratamento para parar de fumar, com aprovação em 2006 pela FDA (agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos). Um ano depois, chegou ao Brasil e desde então tem sido considerado o composto mais eficiente contra o tabagismo.

É comercializado e encontrado nas farmácias e drogarias com o nome de Champix, fabricado pela farmacêutica Pfizer. Testado e aprovado, o medicamento tem alto índice de eficácia em sua finalidade: ajudar no processo de cessar o hábito e a vontade de fumar, além de reduzir os efeitos causados pela abstinência da nicotina.

O medicamento só é vendido (e indicado) para maiores de 18 anos e mediante apresentação de receita médica, sendo, portanto, necessária uma consulta prévia com um médico especializado. Também é recomendado que o acompanhamento médico continue durante todo o tratamento.

Por que Champix é o método mais utilizado?

O motivo, sem dúvida, é a eficácia comprovada como medicamento para deixar de fumar. Isso ocorre porque o princípio ativo do Champix, a vareniclina, atua diretamente no cérebro, reduzindo o desejo pelo cigarro e bloqueando ossintomas que a falta de nicotina geralmente causa em quem está tentando parar de fumar. Isso faz com que o processo de abandonar o hábito seja bem mais fácil.

como funciona a vareniclina

Outra grande vantagem é que o medicamento também ajuda a inibir a sensação de prazer que normalmente se sente ao fumar um cigarro ou outros tipos de tabaco. De acordo com estudos, as estatísticas de eficiência do produto são bem satisfatórias:

  • Quase 70% dos pacientes que usaram a vareniclina (champix) conseguiu abandonar o vício.
  • Cerca de duas em cada três pessoas que seguiram o corretamente o tratamento deixaram de fumar com sucesso.

Porém, apesar de tamanha eficácia e benefícios, a Champix não deve ser a única responsável por abandonar o hábito de fumar. É preciso muita força de vontade para que o processo se torne menos difícil e doloroso.

Vantagens e Desvantagens

Além de ser uma substância aprovada pela FDA e com eficiência comprovada por estudos, a vantagem da vareniclina está também em sua forma de atuação no organismo, totalmente voltada para quem deseja realmente parar de fumar. Como ela se junta, parcialmente, ao receptor da nicotina, consegue reduzir a intensidade da vontade de fumar, ao mesmo tempo que diminui os sintomas da abstinência.

Mas talvez a principal vantagem desse medicamento seja ajudar a reduzir a sensação prazerosa que se sente ao fumar. Dessa forma, mesmo que o paciente continue fumando durante o tratamento, ele vai ter uma redução significativa na quantidade de cigarros fumados durante o dia, eliminando gradualmente o desejo de fumar e aumentando as chances de não sofrer uma recaída.

A desvantagem é apenas em relação aos efeitos colaterais que o medicamento pode causar em cada paciente, de forma individual, que podem envolver problemas com sono, de estômago, flatulência e vômito.

Como usá-lo

Para começar o tratamento com a vareniclina, é preciso estabelecer uma data certa para parar de fumar, pois é indicado começar a tomar os comprimidos uma semana antes da data estabelecida para não colocar mais o cigarro na boca. Esse tempo é importante para o medicamento começar a atuar nos receptores do cérebro e provocar os efeitos desejados.

Como tomar Champix

Toma-se de um a dois comprimidos por dia, com uma ou duas semanas antes de tentar sair do vício. A posologia e a forma de tomar o medicamento vai ser orientada pelo médico, que deverá acompanhar todo o tratamento. Entretanto, a forma de consumir o Champix segue um padrão:

  • Dias 1 a 3: 1 comprimido de 0,5 mg de vareniclina uma vez por dia
  • Dias 4 a 7: 1 comprimido de 0,5 mg de vareniclina duas vezes ao dia
  • Dias 8 ao final: 1 comprimido de 1 mg de vareniclina duas vezes ao dia

Geralmente, o tempo do tratamento é de 12 semanas, mas pode ser continuado, por orientação médica, quando necessário. Antes de qualquer coisa, é preciso fazer uma consulta com um médico especializado para que ele possa indicar o uso da vareniclina, já que sua venda só é feita com a apresentação da receita do profissional.

Quem pode usá-lo

O princípio ativo vareniclina é indicado para pessoas que têm o objetivo de parar de fumar, sendo seguro para a maioria. Entretanto, existem algumas contraindicações que merecem atenção especial:

  • Menores de 18 anos
  • Pessoas com hipersensibilidade à substância ativa (vareniclina) ou a qualquer outro componente do medicamento (Champix)
  • Pacientes com diabetes mellitus
  • Pessoas com problemas cardiovasculares
  • Mulheres grávidas, que estejam amamentando ou com planos para engravidar
  • Pacientes com depressão
  • Pessoas com problemas renais graves

Nesses casos, é necessário aconselhamento médico para encontrar o tratamento adequado para cada situação individualmente.

O medicamento não deve ser tomado simultaneamente com produtos que substituam a nicotina, como os adesivos, chicletes e comprimidos usados na terapia de substituição da nicotina (NRT).

Possíveis efeitos colaterais

Independentemente do tipo, todo medicamento pode gerar efeitos colaterais, pois a presença das substâncias ativas desencadeia uma série de reações no organismo. No caso da vareniclina (Champix), eles podem incluir:

  • Sentir e ficar doente
  • Dificuldade para dormir (insônia) ou pesadelos
  • Cansaço e sonolência
  • Boca seca
  • Problemas digestivos: constipação, inchaço abdominal, prisão de ventre ou diarreia
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Enjoo e náusea
  • Vômito
  • Inflamação do nariz ou garganta
  • Distúrbio do paladar
  • Diminuição ou aumento do apetite
  • Dor muscular

Apesar de esses efeitos colaterais serem os mais frequentemente relatados, nem sempre seu consumo os provoca. É importante consultar o médico caso algum sintoma persista por muito tempo, se tornando problemático – ou caso o paciente observe o aparecimento de efeitos secundários também problemáticos.

Terapia de substituição de nicotina (NRT)

A Terapia de Reposição de Nicotina é usada por pacientes que têm alta dependência (fumam mais de 10 cigarros por dia) e/ou quando apresentam histórico de abstinência ao serem privados de fumar.

Adesivo de Nicotina

A NRT tem como principal objetivo diminuir os efeitos desagradáveis ​de abstinência que surgem ao tentar parar de fumar, como mau humor e ansiedade. E faz isso fornecendo baixo nível de nicotina durante o tratamento, mas sem o alcatrão, o monóxido de carbono e o cianeto, componentes nocivos do cigarro.

Tem sido usado por milhões de fumantes como alternativa de parar o vício. 

O que é e usos médicos

É um tratamento que auxilia pacientes na difícil missão de parar de fumar. Pode ser realizada por meio de:

  • Adesivos de pele
  • Chiclete (goma de mascar)
  • Inaladores (que parecem cigarros plásticos)
  • Comprimidos, tiras orais e pastilhas
  • Spray nasal e bucal

Algumas pessoas acham que optar pela NRT é apenas trocar um vício por outro, só que na verdade o intuito é diminuir gradualmente o uso desses recursos, para que o organismo não sofra um choque e reaja com fortes sintomas de abstinência.

Esses recursos podem ser comprados em quase qualquer farmácia sem a necessidade de apresentar uma receita médica. Entretanto, é recomendado ter um acompanhamento especializado durante a terapia de reposição de nicotina para melhor avaliar a resposta ao tratamento, levando em consideração o histórico e o grau de dependência de forma individual.

Vantagens e Desvantagens

Qualquer que seja o recurso adotado para fazer a terapia de reposição de nicotina ele tem como vantagem o fato de só oferecer ao paciente a própria nicotina, poupando-o das substâncias mais nocivas, responsáveis pela maioria dos problemas de saúde atribuídas ao cigarro.

E, apesar de fumar ser altamente viciante, não há risco de ocorrer um vício a qualquer outro método da NRT. O nível de nicotina nesses produtos licenciados é muito mais baixo do que no cigarro, e a forma como ela chega ao organismo é muito menos viciante do que fumar. Portanto, mesmo que se use os produtos contendo nicotina licenciada, os efeitos serão consideravelmente menos prejudiciais do que fumar.

Outra grande vantagem é que, como a nicotina é reduzida gradualmente, ocorre uma redução nas crises e nos fortes efeitos da abstinência.

A desvantagem fica por conta dos efeitos colaterais que cada um dos métodos usados pode causar em cada paciente, de forma individual.

Como usá-lo

Alguns métodos são usados ​​o tempo todo, outros pontualmente ou somente durante o dia.

O mais conhecido, e também o que é mais usado, entre os métodos para a NRT é o adesivo de nicotina. Ele fica colado na pele e vai liberando nicotina de forma gradual durante as 24 horas que fica no corpo, quando então deve ser trocado.

A pastilha, o chiclete, o inalador e o spray são usados de forma pontual, ou seja, naqueles momentos de fissura, quando o paciente sente muita necessidade de fumar. E, por isso, são considerados mais eficazes para controlar a abstinência.

É muito comum adotar o adesivo de nicotina e algum outro método de forma simultânea, mas é preciso tomar cuidado para não exagerar na dose ao longo dos dias. Por isso, o melhor seria ter uma orientação e acompanhamento médico especializado para que o processo da NRT seja realmente eficaz.

Quem pode usá-lo

A NRT é mais indicada para quem tem alta dependência (fuma mais de 10 cigarros por dia) e/ou para pacientes que apresentam histórico grave de abstinência ao tentar parar de fumar.

Mas o método é indicado para a maioria das pessoas, incluindo:

  • Adolescentes com mais 12 anos de idade: entretanto, menores de 18 anos não devem usar as pastilhas sem aconselhamento médico.
  • Mulheres grávidas: alguns médicos recomendam a NRT para gestantes, quando consideram que o método pode ajudá-las a parar de fumar.
  • Mulheres que amamentam: algumas mulheres também são aconselhadas pelo médico a adotar a NRT.

Lembre-se de sempre ler o pacote ou folheto para verificar se aquele produto é adequado para você.

Quem tem problemas renais ou hepáticos ou recentemente sofreu ataque cardíaco ou derrame é aconselhável obter orientação médica antes de iniciar a terapia de reposição de nicotina.

Possíveis efeitos colaterais

Por oferecer apenas nicotina e em dose bem menor do que o cigarro, a terapia de reposição de nicotina não acarreta graves riscos à saúde, já que essa substância tem mais relação com o vício de fumar do que com os malefícios do tabagismo propriamente ditos.

Exatamente por esse motivo, há poucas contraindicações à terapia, como vimos no item anterior. Mas é claro que os efeitos colaterais, por mais leves que possam ser, não estão descartados e podem incluir:

  • Irritação na pele ao usar os adesivos
  • Irritação na garganta, no nariz ou nos olhos ao usar um spray nasal
  • Dificuldade para dormir (insônia)
  • Dor no estômago, náusea ou azia
  • Tontura
  • Dor de cabeça
  • Excesso de gases (flatulência)
  • Soluço

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT.

Bupropiona (Zyban)

Antes muito receitada por médicos como antidepressivo (sob a marca Wellbutrin), a bupropiona se mostrou eficiente em diminuir o desejo de fumar e reduzir os sintomas da abstinência da nicotina.

caixa da Bupropiona

A nova descoberta do medicamento ocorreu após estudos clínicos realizados em pacientes fumantes que tomavam a medicação para controlar a depressão e passaram a se queixar de não sentirem mais vontade de fumar.

Desde então, o princípio ativo passou a ser utilizado para essa finalidade, deixando cada vez mais de ser prescrito como antidepressivo. É importante ressaltar, entretanto, que o efeito do medicamento não está diretamente ligado à sua ação antidepressiva, portanto mesmo quem não sofre de depressão pode usá-lo normalmente.

Os médicos prescrevem a bupropiona para pacientes com alta dependência, ou seja, que fumam mais de 10 cigarros por dia.

O que é e usos médicos

O cloridrato de bupropiona, comercializado com o nome de Zyban (e também citado na internet como Ziban), é um remédio atualmente utilizado por pessoas que têm o desejo de parar de fumar. Descoberto na década de 70, hoje ainda é utilizado no tratamento de dependências químicas, mas em escala menor.

A bupropiona não contém nicotina em sua formulação, portanto, não ajuda o paciente a parar de fumar seguindo a mesma metodologia das opções de tratamento anteriormente citadas. Na verdade, ainda não existem estudos conclusivos sobre como exatamente esse medicamento atua no organismo. Acredita-se que ele provoque a sensação de prazer e bem-estar no cérebro, competindo diretamente com a nicotina. Com isso, o desejo de fumar um cigarro para ter a sensação de prazer se torne cada vez menos necessário.

O fato é que o remédio causa efeito direto nas partes do cérebro que estão envolvidas no comportamento viciante, ajuda a eliminar com o hábito de fumar e acaba com:

  • O desejo de fumar
  • A irritabilidade, a agitação e a ansiedade
  • A dificuldade de concentração
  • Os sentimentos de infelicidade ou depressão

Vantagens e Desvantagens

Uma importante vantagem do tratamento com o Zyban é a redução nos sintomas de abstinência, um dos principais motivos que fazem com que as pessoas desistam de parar de fumar. Dessa forma, o remédio eleva a possibilidade de sucesso do tratamento.

Uma considerável desvantagem é que, como o princípio ativo do medicamento também atua como antidepressivo, seu consumo pode provocar desequilíbrio no estado mental de quem tem vulnerabilidade. Por isso, é importante que todo paciente seja bem avaliado para ver se tem algum transtorno psiquiátrico e seja acompanhado durante todo o tratamento.

Outro ponto negativo é que esse princípio ativo pode interagir com outros medicamentos, principalmente broncodilatadores e vasoconstritores. Isso significa que pacientes cardiopatas e hipertensos devem ter cuidado e atenção ao utilizá-lo e não devem deixar de relatar suas condições ao médico.

Como usá-lo

Antes de qualquer coisa, o paciente precisa estar determinado a acabar com esse vício. Não há problema ou efeito colateral que ocorra por consumir o medicamento simultaneamente ao hábito de fumar. Entretanto, vale lembrar que o objetivo é parar com esse vício, portanto não faz muito sentido tomar o medicamento e continuar fumando por um longo período.

Portanto, estabeleça uma data para parar de vez de fumar e comece a tomar o Zyban uma semana antes dessa data, para que o organismo possa acumular uma quantidade de bupropiona.

Normalmente o tratamento percorre por três meses, mas esse período e sua dosagem dependem de fatores como: peso corporal, possíveis problemas cardiovasculares, sensibilidade às substâncias do remédio, histórico e vivência de cada paciente.

Em muitos casos, o consumo ocorre da seguinte maneira:

  • 1 comprimido pela manhã durante 3 dias
  • 1 comprimido 2 vezes ao dia, com intervalo de 8 horas, sendo que o 2º comprimido deve ser tomado antes das 17h
  • Ao parar de fumar no 8º dia, prossegue a recomendação de tomar 1 comprimido duas vezes ao dia

Ele não causa dependência, não tem necessidade de diminuir gradualmente o uso e a redução no desejo de fumar pode ser observada já nas primeiras três semanas de tratamento.

Quem pode usá-lo

O uso do bupropion é seguro para a maioria das pessoas, entretanto existem algumas contraindicações:

  • Menores de 18 anos
  • Mulheres grávidas ou que estejam amamentando
  • Pacientes com epilepsia, transtorno bipolar ou transtorno alimentar

Como já mencionado, por conter um princípio ativo recomendado como medicamento antidepressivo, é muito importante que cada paciente passe por uma avaliação médica de forma individual para verificar algum transtorno psicológico. É possível que o medicamento desestabilize o estado mental de quem é vulnerável.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais do bupropion podem incluir:

  • Boca seca
  • Dificuldade para dormir (insônia)
  • Dor de cabeça
  • Prisão de ventre
  • Dificuldade de concentração
  • Tontura
  • Redução dos reflexos
  • Agitação
  • Ansiedade
  • Tremor
  • Dor no estômago e náusea
  • Problema de pele ou erupção cutânea
  • Convulsão (quando tomadas doses muito altas)

Em mais de 70% das pessoas que usam o bupropion como tratamento contra o tabagismo os efeitos colaterais desaparecem em até uma semana após parar de tomá-lo. E somente 10% das pessoas que iniciam o tratamento precisam interrompê-lo devido aos efeitos colaterais.

Goma de nicotina

A Terapia de Reposição de Nicotina (NRT), da qual faz parte as gomas de nicotina, é indicada para quem tem o desejo de parar de fumar, mas é altamente dependente do cigarro, ou seja, fuma mais de 10 cigarros diariamente.

Gomas de Nicotina

O produto ajuda a compensar os sintomas associados à abstinência da nicotina e a reduzir a vontade de fumar. Para muitas pessoas, esse método é mais eficiente quando associado a outro método da própria NRT, como os adesivos de nicotina, por exemplo. 

O que é e usos médicos

Como o próprio nome sugere, a goma de nicotina nada mais é do que uma goma de mascar que contém nicotina em sua superfície. Ao mastigá-la, essa nicotina é liberada gradativamente e absorvida pela mucosa bucal ou durante a digestão.

Indicada para fumantes que desejam abandonar o vício, o chiclete oferece ao organismo quantidades baixas da substância, excluindo outros componentes mais nocivos do cigarro, como alcatrão, monóxido de carbono e cianeto.

Com a gradual redução na quantidade de nicotina, é possível evitar a crise de abstinência durante o tratamento. E, com o tempo, os pacientes deixam de usá-la por completo. São comercializadas gomas com 2 mg ou 4 mg de nicotina por unidade.

Vantagens e Desvantagens

Qualquer método da NRT tem como vantagem só oferecer ao organismo a própria nicotina, principal causador do vício, poupando o paciente de continuar em contato com os outros componentes do cigarro, que são muito mais prejudiciais à saúde.

Também é um tipo vantajoso de tratamento por conseguir amenizar os temidos efeitos da abstinência, pois a substância é reduzida de forma gradual, não havendo risco de ocorrer um vício na goma.

Uma das suas principais desvantagens é que ela só oferece a sensação de alívio momentânea, assim como o próprio cigarro. Outro detalhe negativo é que, na maioria das vezes, o chiclete é indicado para ser usado simultaneamente com os adesivos de nicotina. Por esse motivo, não há estudos conclusivos que comprovem sua eficácia sozinha.

Como usá-lo

Assim que a goma de nicotina for colocada na boca, é indicado mastigar com força até sentir o gosto da nicotina. Em seguida, o recomendado é colocá-la entre a gengiva e a lateral da bochecha (pois é ali que a nicotina se absorve de forma mais eficaz), onde deve permanecer até perder o sabor, mais ou menos por 30 minutos, quando o chiclete deverá ser descartado.

Não é recomendado beber qualquer líquido enquanto estiver com o chiclete na boca, para evitar que a nicotina seja engolida.

Para quem fuma 20 ou mais cigarros por dia, o consumo das gomas deverá ocorrer da seguinte maneira:

  • Semanas de 1 a 4: goma de 4 mg a cada 1 ou 2 horas
  • Semanas de 5 a 8: goma de 2 mg a cada 2 ou 4 horas
  • Semanas de 9 a 12: goma de 2 mg a cada 4 ou 8 horas

Para quem fuma menos 20 cigarros por dia, o consumo deve ser diferente:

  • Semanas de 1 a 4: goma de 2 mg a cada 1 ou 2 horas
  • Semanas de 5 a 8: goma de 2 mg a cada 2 ou 4 horas
  • Semanas de 9 a 12: goma de 2 mg a cada 4 ou 8 horas

Em ambos os casos, o tratamento dura, em média, 12 semanas. Mas, conforme for se sentindo mais à vontade, o paciente pode diminuir gradualmente o número de chicletes mastigados durante o dia. O importante é sempre respeitar o limite e ir somente até onde seja fácil suportar os sintomas da abstinência.

Quem pode usá-lo

Os métodos utilizados na NRT oferecem quantidade bem menor de nicotina que o cigarro e, como não trazem suas substâncias mais nocivas, não causam grandes riscos à saúde. Por esse motivo, não existem muitas contraindicações para o uso das gomas de nicotina.

Médicos alegam que até mesmo menores de 18 anos, grávidas, mulheres que estão amamentando e pacientes cardíacos podem usar esse recurso. Entretanto, quem tem algum problema com a articulação da mandíbula deve procurar outro método que auxilie o tratamento de parar de fumar, como os adesivos de nicotina, por exemplo.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais das gomas de nicotina são bem raros, mas entre os relatados com mais frequência estão:

  • Náusea
  • Irritação na mucosa da boca (que pode provocar úlcera)
  • Intoxicação por uso excessivo
  • Mau gosto a partir da goma
  • Sensação de formigamento na língua durante a mastigação da goma
  • Soluço
  • Dor de estômago ou azia
  • Dor na mandíbula, provocada pela mastigação

Independentemente da dose de nicotina da goma de mascar, não mastigue mais de 24 chicletes por dia. Essa quantidade representa uma superdose, que pode causar: náusea, fraqueza física e problema de respiração.

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT.

Adesivos de nicotina

Por apresentar efeitos menos desagradáveis e adversos, o adesivo de nicotina é o método mais utilizado e eficaz na terapia de reposição de nicotina (NRT). Ele fornece ao paciente doses controladas de nicotina (o componente viciante do cigarro), sem oferecer o alcatrão, o monóxido de carbono e o cianeto (suas substâncias mais nocivas).

Adesivo de Nicotina

Isso garante que o paciente pare de fumar gradativamente, pois a parcela de nicotina é reduzida pouco a pouco, ajudando a minimizar as crises pela falta do cigarro.

O que é e usos médicos

O recurso para auxiliar no tratamento de parar de fumar é, propriamente, um adesivo que deve ser colocado na pele e ali permanecer durante 24 horas, quando deverá ser trocado por outro semelhante.

Esse adesivo libera nicotina durante todo o tempo que está colado na pele, sem interrupções, sendo que o pico de absorção da substância ocorre no período de quatro a nove horas após entrar em contato direto com a pele.

Estudos mostram que pacientes que usam o adesivo de nicotina conseguem largar o vício do cigarro depois de seis meses de tratamento.

Os adesivos são comercializados com diferentes níveis de nicotina: 7, 14 ou 21 mg. A escolha da quantidade mais adequada vai depender do grau de dependência de cada paciente.

Vantagens e Desvantagens

Qualquer método da NRT tem como vantagem só oferecer ao organismo a própria nicotina, principal substância viciante do cigarro, poupando o paciente de continuar em contato com os outros componentes do cigarro, que são muito mais nocivos à saúde. E não oferece o risco de ocorrer um vício no adesivo de nicotina.

Em especial, os adesivos são vantajosos por controlar a quantidade da substância que é liberada ao longo do dia, permitindo mais equilíbrio e menos sintomas de abstinência ao paciente, que não sente gosto algum.

As desvantagens são: necessidade de usar o adesivo durante 24 horas, diariamente, e a possibilidade de ocorrer alergias na pele, mesmo que em pequenas proporções.

Como usá-lo

O adesivo de nicotina deve ser fixado na pele em um local sem pelos, sem oleosidade, sem dobras de pele e onde não fique exposto ao sol, como tórax, ombros e costas.

A duração do tratamento e a dosagem dos adesivos variam de acordo com o nível de dependência de cada pessoa, entretanto o objetivo é reduzir a dosagem em 7 mg a cada quatro semanas.

Quem fuma 20 ou mais cigarros diariamente deve seguir o tratamento durante 12 semanas com as seguintes dosagens:

  • Semanas de 1 a 4: uso de adesivos de 21 mg
  • Semanas de 5 a 8: uso de adesivos de 14 mg
  • Semanas de 9 a 12: uso de adesivos de 7 mg

Quem fuma menos de 20 cigarros diariamente deve seguir o tratamento por oito semanas, dando início com adesivos de dose menor de nicotina:

  • Semanas de 1 a 4: uso de adesivos de 14 mg
  • Semanas 5 a 8: uso de adesivos de 7 mg

Os adesivos podem ser usados por até 24 horas, mas evite fazer a troca após esse tempo ou ficar mais de uma hora sem o adesivo em contato com a pele. A dica é colá-lo no corpo ao acordar, repetindo o ritual diariamente, sempre lembrando que ao trocá-lo é preciso colar o novo adesivo em outra região do corpo.

Quem pode usá-lo

Os métodos utilizados na NRT oferecem quantidade bem menor de nicotina que o cigarro e, como não trazem as substâncias mais nocivas do cigarro, não causam grandes riscos à saúde. Por esse motivo, não existem muitas contraindicações para o uso dos adesivos de nicotina.

Médicos alegam que até mesmo menores de 18 anos, grávidas, mulheres que estão amamentando e pacientes cardíacos podem usar esse recurso. Entretanto, pessoas com a pele muito sensível ou alérgica ao material do adesivo não devem usar esse método.

Ele é mais indicado para quem tem alta dependência (fuma mais de 10 cigarros por dia) e/ou para pacientes que apresentam histórico grave de abstinência ao tentar abandonar o vício.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais dos adesivos de nicotina são bem raros, mas entre os relatados com mais frequência estão:

  • Erupção cutânea ou irritação na pele no local onde foi colado o adesivo
  • Problema para dormir (insônia) e pesadelo constante

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT, mas dificilmente os efeitos colaterais são determinantes para o fim do tratamento.

Inaladores

Mais um dos recursos oferecidos pela terapia de reposição de nicotina (NRT), o inalador é muitas vezes preferido por pacientes que desejam acabar com o tabagismo, principalmente aqueles que têm problema em largar os rituais de fumar, como puxar um cigarro do maço, acender, colocá-lo na boca e inalar.

Inaladores para deixar de fumar

É um método de combate ao fumo que ajuda a acabar com a dependência física e com o hábito gestual, simultaneamente, acalmando a vontade de fumar ao reproduzir o ritual de inalação.

É importante observar que os inaladores de nicotina não são os mesmos inaladores utilizados por pessoas que têm problemas respiratórios, como os asmáticos.

O que é e usos médicos

O inalador de nicotina é um produto que se assemelha bastante ao cigarro, com uma boquilha da qual se aspira um vapor de nicotina. É composto por:

  • Uma caixa com 42 recargas, cada uma contendo uma esponja com 10 mg de nicotina (dos quais apenas 5 mg são absorvidos).
  • Um cartucho ou tubo de plástico no qual são inseridas as recargas de nicotina e de onde o paciente inala o vapor dessa substância, que vai ser absorvida pela boca e região da garganta.
  • Uma caixa que permite carregar as recargas e o tubo, parecida com o maço de cigarro.

Esse método da NRT, associado a um bom acompanhamento médico e à motivação certa do paciente, proporciona ótimos resultados no processo de parar de fumar. É um ótimo substituto do cigarro para quem também sofre com a dificuldade de abandonar o hábito de estar com um tabaco na boca.

Os inaladores de nicotina, ao contrário de outros métodos da NRT, são medicamentos que precisam de prescrição médica para serem vendidos.

Vantagens e Desvantagens

Qualquer método da NRT tem como vantagem só oferecer ao organismo a própria nicotina, principal causador do vício, poupando o paciente de continuar em contato com os outros componentes do cigarro, que são muito mais prejudiciais à saúde, e não há risco de ocorrer um vício no inalador de nicotina.

É uma ótima opção para quem tem dificuldade de parar de fumar por causa do hábito de ter um cigarro na mão, já que o uso do inalador se assemelha bastante ao costume de fumar.

Uma das suas principais desvantagens é que ele só oferece a sensação de alívio momentânea, assim como o próprio cigarro. Além disso, é um produto um pouco mais caro.

Como usá-lo

Para utilizar o inalador, o paciente deve aspirar baforadas do vapor de nicotina com uma frequência maior do que fazia com o cigarro, já que cada inalação libera menos nicotina. Por exemplo: de 10 a 20 aspirações no inalador, é oferecida a mesma quantidade de nicotina que era obtida em um só trago do cigarro. Por esse motivo, o tempo médio de cada uso desse produto é de 20 minutos, quando se consegue alcançar o máximo de nicotina no sangue.

Apenas aspirar o vapor da nicotina sem engolir ou inalar profundamente até aos pulmões absorve igual quantidade da substância – isso porque ela é absorvida pelas mucosas da boca, principalmente.

O paciente pode utilizar o inalador toda vez que sentir desejo de fumar, porém o máximo permitido é de 12 vezes ao dia, considerando seis uma boa frequência diária. O tratamento dura de 8 semanas a 3 meses, no máximo, de acordo com as orientações médicas.

É muito importante que o paciente não esteja mais fumando ao iniciar o tratamento, pois o excesso de nicotina pode provocar uma overdose, que pode ser muito perigosa.

Quem pode usá-lo

O inalador de nicotina é mais indicado para quem tem alta dependência (fuma mais de 10 cigarros por dia) e/ou para pessoas que apresentam histórico grave de abstinência ao tentar abandonar o vício.

Os métodos utilizados na NRT oferecem quantidade bem menor de nicotina do que o cigarro e, como não trazem as substâncias mais nocivas do cigarro, não causam grandes riscos à saúde. Por esse motivo, não existem muitas contraindicações para o uso dos inaladores.

Médicos alegam que até mesmo menores de 18 anos, grávidas, mulheres que estão amamentando e pacientes cardíacos podem usar esse recurso. Entretanto, existem algumas contraindicações:

  • Pessoas com doenças como a angina
  • Taquicardia
  • Doença respiratória (como alergia, asma e bronquite)
  • Diabetes
  • Hipertensão
  • Pacientes que tomam antidepressivos

Essas pessoas devem procurar outro método que auxilie o tratamento de parar de fumar, como os adesivos de nicotina, por exemplo.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais dos inaladores de nicotina são bem raros, mas entre os relatados com mais frequência estão:

  • Gripe ou resfriado
  • Boca e garganta irritadas
  • Tosse
  • Falta de ar ou respiração dificultada
  • Soluço
  • Dor de cabeça
  • Dor de garganta
  • Diarreia
  • Dor inexplicável no pescoço, na mandíbula ou nas costas
  • Problemas para dormir (insônia) e pesadelo constante
  • Estômago irritado

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT, mas dificilmente os efeitos colaterais são determinantes para o fim do tratamento.

Spray de nicotina

É outro recurso que faz parte da terapia de reposição de nicotina (TRN) e também oferece ao paciente pequenas doses do componente mais viciante do cigarro (a nicotina), poupando o organismo dos componentes mais prejudiciais à saúde.

Spray para deixar de fumar

Envolve a retirada gradual do vício da nicotina, auxiliando no processo de parar de fumar e colaborando para a redução dos efeitos e sintomas da abstinência, sendo indicado principalmente para pacientes que têm forte dependência, ou seja, fuma mais de 10 cigarros diariamente.

O que é e usos médicos

O spray de nicotina é como outro spray qualquer, mas com nicotina diluída em um líquido para ser borrifado no nariz. Cada borrifada contém 0,5 mg dessa substância, e sua absorção é feita rapidamente pelo organismo, com pico da nicotina no sangue ocorrendo de 5 a 10 minutos após a aplicação.

O recurso pode ser usado isoladamente ou de forma simultânea com outros recursos de liberação lenta, como os adesivos de nicotina, mas ainda não está à venda no Brasil.

Vantagens e Desvantagens

Qualquer método da NRT tem como vantagem só oferecer ao organismo a própria nicotina, principal causadora do vício, poupando o paciente de continuar em contato com os outros componentes do cigarro, que são muito mais prejudiciais à saúde.

A vantagem do spray de nicotina, em relação aos outros métodos da NRT, é a absorção rápida da substância, que vai diretamente para a corrente sanguínea e chega ao cérebro muito mais rapidamente que acontece com os adesivos, por exemplo.

A grande desvantagem, além dos efeitos colaterais, é que esse recurso apresenta mais probabilidade de provocar dependência ao paciente, mesmo causando consequências menos prejudiciais à saúde. Esse recurso da NRT foi aprovado pelo Food and Drug Administration dos Estados Unidos, mas ainda não existem estudos conclusivos que confirmem a sua eficiência.

Como usá-lo

Estudos indicam as borrifadas de 10 a 20 vezes ao dia, no máximo, sempre visando a redução do uso no decorrer de duas semanas. Use sempre nos momentos de fissura e desejo incontrolável de fumar um cigarro, desde que com intervalo mínimo de 10 a 15 minutos após a última dose.

Durante os primeiros dias de uso, é comum sentir uma sensação de calor na região atrás do nariz, vontade de espirrar e de tossir, assim como coriza e olhos lacrimejantes, mas esses são sintomas normais e que não implicam a interrupção do tratamento.

É muito importante que o paciente não esteja mais fumando ao iniciar o tratamento com o spray, pois o excesso de nicotina pode provocar uma overdose, que pode ser muito perigosa.

Quem pode usá-lo

O spray de nicotina é mais indicado para quem tem alta dependência (fuma mais de 10 cigarros por dia) e/ou para pessoas que apresentam histórico grave de abstinência ao tentar abandonar o vício.

Os métodos utilizados na NRT oferecem quantidade bem menor de nicotina que o cigarro e, como não trazem os componentes mais prejudiciais do cigarro, não causam grandes riscos à saúde. Por causa disso, não existem muitas contraindicações para o uso do spray de nicotina.

Médicos alegam que até mesmo menores de 18 anos, grávidas, mulheres que estão amamentando e pacientes cardíacos podem usar esse recurso. Entretanto, para aquelas pessoas que tenham problema renal ou hepático ou que recentemente sofreram ataque cardíaco ou derrame são recomendadas obter orientação médica antes de iniciar o tratamento.

Lembre-se de sempre ler o pacote ou folheto para verificar se o produto é adequado para você. Não é recomendado usar o spray nasal de nicotina por um período superior a 3 meses, pois o uso contínuo pode causar dependência.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais do spray de nicotina são bem raros, mas entre os relatados com mais frequência estão:

  • Irritação nas vias áreas
  • Secreção nasal
  • Broncoespasmo
  • Tosse e espirro
  • Dor nas costas
  • Dor de cabeça
  • Coceira na parte posterior do nariz ou da garganta
  • Indigestão

Apesar de esses efeitos colaterais serem os mais frequentemente relatados, nem sempre seu consumo provoca tais efeitos, sendo cada caso uma situação individual.

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT, mas dificilmente os efeitos colaterais são determinantes para o fim do tratamento.

Microtab

O medicamento Microtab é indicado para pacientes que desejam parar de fumar e estão determinados a alcançar esse objetivo.

Microtab para deixar de fumar

Ao parar repentinamente de fumar e de fornecer nicotina ao seu organismo, é muito comum que o paciente sinta diversos desconfortos causados pela privação do bem-estar. O Microtab ajuda a prevenir ou pelo menos reduzir esses sintomas da abstinência, ao continuar fornecendo ao organismo pequenas quantidades de nicotina durante um certo período de tempo.

Isso proporciona uma forma mais segura e eficiente de reduzir a dependência do organismo, atenuando os sintomas da falta de nicotina e evitando que o paciente caia em tentação e retorne ao velho hábito de fumar.

O que é e usos médicos

O Microtab é um medicamento sublingual (debaixo da língua), que contém doses correspondentes a 2 mg ou 4 mg de nicotina em cada comprimido. Eles são brancos, com a gravação "NIC" em uma face e "4" na outra. São fornecidos em embalagens contendo 30 ou 105 pílulas nos sabores menta e classic.

Quando colocado embaixo da língua, o Microtab libera gradualmente a nicotina, que vai sendo absorvida pela superfície bucal. Esta quantidade é suficiente para ajudar a reduzir o desejo de fumar, controlando os momentos de maior fissura.

Assim, ele permite que o fumante consiga abandonar o vício do cigarro sem grandes sacrifícios.

Vantagens e Desvantagens

A vantagem do Microtab é só oferecer ao organismo a própria nicotina, principal substância viciante do cigarro, poupando o paciente de continuar em contato com os outros componentes do cigarro, que são muito mais nocivos à saúde.

Outro ponto positivo é que, com a nicotina sendo reduzida gradualmente, ocorre uma redução nas crises e nos fortes efeitos da abstinência.

A desvantagem fica por conta dos efeitos colaterais que o medicamento pode causar em cada paciente, de forma individual.

Como usá-lo

O Microtab é um comprimido sublingual, portanto deve ser colocado embaixo da língua, onde deve permanecer até que seja totalmente dissolvido pela saliva. Esse processo ocorre lentamente e deve durar cerca de meia hora, mas é importante ter paciência. Evite mastigá-lo ou engoli-lo.

A definição da dose a ser tomada vai depender do grau de dependência da nicotina de cada paciente: quem fuma mais de 20 cigarros por dia, por exemplo, deve tomar comprimidos de 4 mg; o mesmo vale para quem já tentou fazer um tratamento com Microtab 2 mg, mas não conseguiu parar de fumar.

No início do tratamento, a recomendação é tomar 1 comprimido a cada 1 ou 2 horas, considerando que o máximo permitido é de 15 comprimidos por dia. Esse processo pode durar, aproximadamente, de dois a três meses, quando as doses de nicotina (a quantidade de comprimidos por dia) podem começar a ser reduzidas, gradualmente, até chegar a 1 ou 2 comprimidos diariamente. Ao chegar a esse ponto, o uso do Microtab pode ser descontinuado.

Vale informar que o uso regular desse medicamento não deve ultrapassar 6 meses, exceto quando recomendado por um especialista.

Quem pode usá-lo

O Microtab fornece quantidade bem menor de nicotina que o cigarro e, como não traz as substâncias mais nocivas do cigarro, não causam grandes riscos à saúde. É indicado para a maioria dos fumantes que tem o desejo de parar de fumar.

Entretanto, o medicamento é contraindicado em casos de:

  • Alergia ou hipersensibilidade à nicotina ou a qualquer outro componente do medicamento
  • Doença cardíaca grave, como angina instável ou arritmia grave
  • Ataque cardíaco ou AVC sofrido nos últimos três meses
  • Pressão arterial elevada que não esteja sendo tratada
  • Doença grave ou moderada no fígado
  • Doença grave no rim
  • Diabetes
  • Problemas na glândula tireoide
  • Problemas na medula suprarrenal (feocromocitoma)
  • Úlcera do estômago
  • Menores de 18 anos de idade, exceto quando prescrito por um especialista
  • Mulheres grávidas ou amamentando

Lembre-se de sempre ler o pacote ou folheto para verificar se o produto é adequado para você.

Possíveis efeitos colaterais

Entre os efeitos colaterais do Microtab relatados com mais frequência, estão:

  • Produção excessiva de saliva
  • Sensação de queimadura na boca
  • Boca seca
  • Irritação da boca e garganta durante os primeiros dias
  • Nariz entupido
  • Batimento cardíaco irregular
  • Diarreia 
  • Transpiração excessiva
  • Sensação de fraqueza
  • Tontura
  • Náusea e vômito 
  • Rinite
  • Tosse 
  • Palpitação
  • Perturbação do sono 
  • Dor de estômago, especialmente quando o paciente engole a pastilha
  • Soluço
  • Azia
  • Dor de cabeça
  • Flatulência (excesso de gases)

Apesar de esses efeitos colaterais serem os mais frequentemente relatados, nem sempre o consumo dos comprimidos provoca tais efeitos, sendo cada caso uma situação individual.

Caso algum desses sintomas se torne particularmente problemático, entre em contato com seu médico. Talvez seja necessário alterar a dose ou o método da NRT, mas dificilmente os efeitos colaterais são determinantes para o fim do tratamento.

Doses elevadas do medicamento podem causar: cansaço extremo, dificuldade respiratória, baixa pressão arterial, pulso irregular e fraco, colapso circulatório e convulsão generalizada.

Fontes:

Seleccione
Medicamento
Preencha o formulário
O médico emite a sua prescrição
Entrega em 24h