Diferentes tipos de contraceptivos

Escrito por

Nossa equipe editorial

Texto Revisado médicamente por

Dr. Caroline Fontana

Última revisão

12 abril 2021

6 min. de leitura

A contracepção feminina tem evoluído enormemente ao longo dos anos e agora há um grande número de opções disponíveis para mulheres que desejam usar contraceptivos para prevenir a gravidez. Você pode escolher entre pílulas combinadas, minipílulas, anéis vaginais, adesivos e implantes. Algumas mulheres preferem anticoncepcionais sem hormônios, enquanto outras preferem anticoncepcionais hormonais.

“Pode ser um processo para descobrir o que se adapta a você, ao seu corpo e às suas necessidades”

Pode ser um processo para descobrir o que é mais adequado para você, seu corpo e suas necessidades, e queremos ajudá-lo a obter todas as informações de que precisa.

Um pouco de história

A história do controle da natalidade começou no início dos anos 1900 por um movimento feminista na América. Uma mulher chamada Margaret Sanger; uma educadora sexual, escritora, enfermeira e ativista, abriu a primeira clínica de controle de natalidade em 1916, mas foi fechada apenas nove meses depois por violar a Lei Comstock e as leis associadas, o que levou à prisão de Sanger. Isso encorajou doadores e mais pessoas dentro do movimento feminista a apoiar Sanger e seu trabalho pelo controle da natalidade, e uma campanha começou.

Sanger fundou a primeira liga de controle de natalidade nos Estados Unidos, em 1921, mas desde então tem sido criticada por dedicar seu trabalho para o movimento racista chamado de eugenia. Ela queria usar o controle da natalidade para eliminar “raças menos superiores”. O nome dela foi excluído das clínicas de planejamento familiar e de aborto nos EUA.

O movimento deu início à história do controle da natalidade e da divisão do sexo desde a procriação. Também ajudou as mulheres a assumir o controle de suas vidas sexuais, a inspiração por trás do termo "controle de natalidade".

As primeiras pílulas anticoncepcionais foram criadas em 1950. Em 1957, noretinodrel, mestranol e noretindrona (com estrogênio) foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos para distúrbios menstruais e em 1960 como anticoncepcional.

Depois dessa descoberta, mais pílulas de progestágeno foram desenvolvidas, como o desogestrel em 1982 e o gestodeno em 1987. Freqüentemente, são chamadas de pílulas de terceira geração.

A primeira pílula combinada, Yasmin, foi disponibilizada em 2002. A pílula combinada e seu curso de 21 dias foram elaborados para se ajustar ao ciclo menstrual e oferecer uma pausa para o sangramento de abstinência mensal.

As pílulas somente de progestágeno foram desenvolvidas durante 1960 e tornaram-se disponíveis em 2002.

Pílulas anticoncepcionais

As pílulas anticoncepcionais, especialmente a pílula combinada, ainda são o método mais popular de controle de natalidade. No entanto, eles não são adequados para todas as pessoas, e a evolução dos anticoncepcionais tem, consequentemente, focado em outros métodos para complementar estilos de vida diferentes.

Anel vaginal

O anel vaginal e o adesivo anticoncepcional podem ser adquiridos com receita médica e não precisam de assistência para serem usados. Os pacientes podem inserir o anel e fixar o adesivo por conta própria.

O anel vaginal é um anel de plástico flexível que libera uma dose baixa de estrogênio e progesterona. O anel é deixado na vagina por três semanas, com uma pausa hormonal de 7 dias, período durante o qual você menstrua. Esse método exige pouca manutenção e também pode reduzir a acne e a gravidade das cólicas menstruais.

Adesivo anticoncepcional

O adesivo anticoncepcional também é usado por três semanas com um intervalo de 7 dias. O adesivo libera estrogênio sintético e hormônios progesterona. Ele pode ser preso às nádegas, ombro, braço ou abdômen. É resistente à água e uma maneira conveniente de prevenir a gravidez.

Implantes e DIU

Existem também métodos contraceptivos que precisam ser inseridos no corpo por um médico. Isso inclui o implante e o dispositivo intrauterino (DIU), também conhecido como bobina.

O implante é uma haste com um núcleo de progesterona que é liberado lentamente. Este implante é inserido sob a pele da parte superior do braço e pode permanecer lá e permanecer eficaz por até 4 anos. Este método é 99% eficaz.

O DIU tem forma de T e é colocado no útero por um médico. Existem dois tipos de dispositivo intrauterino: o DIU de cobre e o DIU hormonal.

O DIU de cobre libera cobre que funciona como espermicida. Este DIU pode durar até 10 anos.

O DIU hormonal contém progesterona, que impede o esperma de alcançar e fertilizar o óvulo.

O DIU dura 3, 5 ou 10 anos, dependendo do tipo, e tem mais de 99% de eficácia.

A pílula do dia seguinte

Por fim, temos as pílulas anticoncepcionais de emergência, desenvolvidas na década de 60, sendo disponibilizadas pela primeira vez na década de 80. A pílula de emergência, ou ‘pílula do dia seguinte’ pode ser tomada até 72 horas com alguns métodos e até 5 dias com outros, após o sexo desprotegido, mas deve ser tomada o mais rápido possível, pois a eficácia diminui após 24 horas.

A contracepção de emergência funciona de duas maneiras diferentes: impede que os ovários liberem um óvulo e altera o útero para que um óvulo fertilizado não possa ser incorporado ao revestimento.

É importante notar que a pílula do dia seguinte não deve ser usada como o seu único método contraceptivo e deve ser usada apenas em situações em que a sua contracepção regular não funcionou.

Outro tipo de contracepção de emergência que a maioria das pessoas não conhece é o Dispositivo Intrauterino (DIU). Um DIU pode ser colocado até 5 dias após a relação sexual para evitar a gravidez e age evitando que o óvulo seja fertilizado.

“Os corpos das mulheres reagem de maneira diferente, o que combina com você pode não servir para outra pessoa”

Somos todos diferentes

Os corpos das mulheres reagem de forma diferente a diferentes tipos de anticoncepcionais, e o que é adequado para você pode não se adequar a outra pessoa e seu estilo de vida Portanto, o processo de encontrar o controle de natalidade certo é muito individual.

É importante compartilhar seu histórico médico com seu ginecologista ou médico quando você decidir qual anticoncepcional usar, já que informações sobre idade, tabagismo e problemas de saúde podem ter um impacto em como os diferentes anticoncepcionais funcionam em seu corpo.

Efeitos colaterais

Todos os tipos de medicamentos, incluindo anticoncepcionais, podem causar efeitos colaterais.

As mais comuns são dores de cabeça, inchaço e cólicas estomacais, ganho ou perda de peso e alterações de humor com a pílula combinada. Os efeitos colaterais da minipílula podem incluir perda do desejo sexual, dores de cabeça, ondas de calor e períodos irregulares.

O anel vaginal pode causar efeitos colaterais como dor abdominal, sangramento de escape (ou spotting) entre as menstruações e sensibilidade mamária. Em contraste, o adesivo anticoncepcional pode causar dores de cabeça, sensibilidade mamária e mudanças de humor.

Então, qual é a escolha certa para mim?

Depois de aprender sobre todas as alternativas e como elas afetam o corpo, você pode considerar que tipo de contracepção se adapta melhor a você.

Você pode decidir se quer uma opção diária, uma opção mensal, o anel que você mesmo coloca, o adesivo que funciona bem se você se esquecer de tomar pílulas e se gostaria de usar um contraceptivo com um ou dois hormônios.

Pode ser difícil encontrar a alternativa que melhor se adapta a você e ao seu estilo de vida. Mas com ampla informação, uma grande seleção de métodos e orientação de médicos e profissionais de saúde, acreditamos que você encontrará aquele que se adapta a você, que lhe permite continuar a controlar sua natalidade e vida sexual.

Ajuda